• Uma dúvida que paira sobre todos aqueles que desejam adquirir o seu imóvel próprio é como juntar dinheiro para comprar um apartamento. Seja para sair do aluguel, seja para ganhar independência, realizar esse grande sonho requer um planejamento financeiro muito bem estruturado.

    Primeiro, é preciso levar em conta que as pessoas vivem realidades financeiras diferentes. Ou seja, muita gente tem o orçamento comprometido, outras pagam altos valores de aluguel e algumas sequer conseguem guardar dinheiro. No entanto, isso não deve impedir ninguém de desejar mais qualidade de vida e conforto, certo?

    Seja qual for a sua situação, neste post você descobrirá diversas formas de se organizar financeiramente para alcançar o objetivo de comprar um imóvel. Portanto, acompanhe as nossas dicas e coloque-as em prática já!

    Elabore um planejamento financeiro

    Se você está pensando em se mudar, já deve ter pesquisado algumas opções de imóveis e tem uma ideia de preço dos imóveis. E é com base nessas informações que você traçará uma meta de valor que precisa ser alcançada para finalmente comprar o apartamento dos sonhos.

    Não se assuste se o objetivo parecer alto demais. Se você não puder comprar à vista, informe-se sobre as opções de financiamento e veja o quanto é necessário oferecer de entrada no negócio de modo que as demais prestações caibam no seu orçamento.

    Depois, faça uma previsão do tempo necessário para se chegar a esse montante da entrada, considerando uma média de recursos que você consegue guardar todo mês — nesse momento, verifique se você pode contar com a renda do cônjuge, por exemplo.

    Esse planejamento é crucial para que você organize suas contas. Portanto, pense em estratégias para ampliar a renda e estabeleça um prazo para se mudar. Com uma data em mente, fica mais fácil encontrar motivação para não se desviar do plano.

    Converse com a sua família

    O sonho de ser dono do seu próprio lar deve ser compartilhado com quem também viverá nele, mesmo que alguém não contribua diretamente para pagar o imóvel. Afinal, os planos envolvem a família e dependem da cooperação de todos para se tornarem realidade.

    Por isso, converse francamente com seu companheiro, filhos e pais, e engaje-os para ajudá-lo da forma que for possível. Assim, além de unir o grupo em torno de um objetivo comum, você ganha aliados importantíssimos para fazer alterações no padrão de gastos da casa atual.

    Faça cortes estratégicos nas suas despesas

    É difícil falar em como juntar dinheiro para comprar um apartamento sem tratar de cortes estratégicos nos seus gastos. Isso porque, mesmo sem perceber, muitas pessoas adotam hábitos negativos que contribuem para o aumento das despesas.

    Você deve conhecer alguém que já pagou um mês inteiro de academia, mas só foi um dia. Ou quem contratou um serviço de TV a cabo com centenas de canais, mas nem usa. Ou, ainda, quem jante fora quase todos os dias, mesmo sabendo cozinhar.

    Essas situações são familiares? Se sim, a dica é sentar com papel e caneta, avaliar cada uma das suas despesas e pôr um fim àquelas que são dispensáveis. Ou seja, é hora de determinar — ou até mesmo redefinir — quais são as suas reais prioridades.

    Em um primeiro momento, pode parecer que você precisará cortar toda a diversão da família, mas lembre-se de que sempre há uma alternativa mais em conta ou até mesmo gratuita para vocês curtirem. Portanto, antes de eliminar todos os gastos com lazer, veja se é possível trocar o plano de internet e de celular por um mais barato, as lâmpadas para gastar menos na conta de luz, ir ao mercado apenas em dias de promoção, frequentar feiras de rua etc.

    Livre-se das dívidas

    Depois de reduzir os seus gastos cortando itens supérfluos, o próximo passo é se livrar das dívidas de uma vez por todas. Caso contrário, você nunca terá o seu salário 100% livre para poupar e usar como desejar — o que não só reduz o seu poder de compra, como também diminui a sua qualidade de vida e a sua estabilidade financeira.

    Sem mencionar, é claro, que você ainda viverá em um constante ciclo de estresse e preocupação para quitar o que deve antes que esses boletos, faturas, carnês e afins se tornem uma bola de neve capaz de deixar o seu nome sujo na praça (SERASA e SPC) ou até mesmo protestado.

    Se você não souber por onde começar a lidar com esse problema, busque o Conselho Nacional de Justiça, os Tribunais de Justiça, as Defensorias Públicas ou o Procon. Além de oferecer orientação gratuita, essas instituições ajudam os consumidores a renegociarem suas dívidas com os credores.

    Deixe o cartão de crédito de lado

    Com o fim das dívidas, é hora de olhar para os pagamentos pendentes, como os de compras feitas à prazo. Isso porque há sempre o risco de “esquecer” essas contas e não contabilizá-las na sua disponibilidade financeira mensal.

    Os cartões de crédito são os grandes vilões do endividamento de famílias, já que os juros do rotativo no Brasil são os maiores do mundo. Lembre-se de que o crédito não é uma extensão do seu salário, mas sim parte dele. Logo, não dá para usá-lo de maneira irrestrita e sem controle, pois você terá que pagar a conta em algum momento.

    Se você começar a atrasar o pagamento das faturas, pode ter que enfrentar uma dívida com potencial para adiar ainda mais o seu sonho da casa própria. Portanto, o ideal é utilizar seus cartões apenas em caso de real necessidade, dando preferência sempre ao pagamento à vista.

    Tenha uma planilha de gastos

    controle financeiro tem que ser diário para que você não se esqueça de nenhum gasto. Então, a dica é usar uma planilha online para registrar todo o dinheiro que entra e que sai da conta e qual foi o seu destino. Para isso, há diversas opções de aplicativos e programas que facilitam essa tarefa e ainda permitem compartilhar com outras pessoas a responsabilidade de anotar e fiscalizar tudo, como Meu DinheiroGuiaBolso e Google Planilhas.

    Invista seu dinheiro

    Com o orçamento livre e a ausência de dívidas, você poderá começar a poupar sem dificuldades para alcançar aos objetivos que traçou lá no início. Contudo, não caia no erro de deixar o seu dinheiro parado na conta-corrente. Embora a poupança renda um pouquinho todo mês, ela vem sendo considerada uma boa opção de investimento. Então, para fazer suas reservas crescerem, você deve aplicar seu dinheiro em outras opções.

    Informe-se sobre os tipos de investimento que se encaixam no seu perfil financeiro e que tenham uma rentabilidade melhor que a da poupança. Para quem busca uma aplicação tão segura quanto ela, uma boa ideia é investir em um título do Tesouro Direto.

    Nessa modalidade, você empresta dinheiro para o Governo Federal, que devolve o valor acrescido de juros no vencimento do título. O Tesouro Direto é considerado um investimento de baixo risco porque é muito improvável que o governo não honre o pagamento — e você pode começar a investir com apenas 30 reais.

    Amplie seu orçamento com uma renda extra

    Se você colocar em prática todas as dicas acima sobre como juntar dinheiro para comprar um apartamento e mesmo assim não conseguir, é hora de buscar alternativas de renda-extra para ampliar o seu orçamento mensal. Para isso, reflita sobre as suas habilidades e de que forma pode capitalizá-las.

    Por exemplo, se você trabalha com captação e edição de imagem e som em um estúdio de TV ou cinema, uma possibilidade é pegar trabalhos freelances de edição e produção de vídeos. Se você é advogado e atua em um escritório de advocacia com horário flexível, pode ser uma boa ideia ter clientes próprios para atender quando não estiver no ambiente de trabalho.

    Uma alternativa é recorrer a aplicativos de transporte e de entregas nos horários livres, o que pode ser feito de bicicleta, moto ou carro. Portanto, não deixe de explorar as suas opções!

    Busque um imóvel com manutenção mais em conta

    Por fim, uma dica extra que será bastante útil para o seu bolso, especialmente no período de pesquisa pela residência nova: vá para um imóvel que tenha um custo de manutenção menor que o seu atual.

    Ou seja, um apartamento que tenha não apenas o aluguel, como também a taxa condominial mais em conta. Afinal, não há sentido você ter, além das contas regulares (de água, luz, internet, telefonia etc.), grandes despesas no período de transição para a sua casa própria.

    Tenha em mente que diminuir gastos é uma excelente estratégia para aumentar as suas reservas financeiras e deixar seu orçamento mais flexível para quando estiver morando no novo lar e precisar, por exemplo, pagar o financiamento, fazer uma reforma, projetar a decoração etc.

    Como você viu, saber como juntar dinheiro para comprar um apartamento não é uma missão impossível. Ao contrário, só é preciso organização, controle de gastos, noção de investimentos e medidas paliativas quando necessário. Por isso, siga as nossas dicas e comece já a se programar para essa nova etapa da sua vida!

    Agora, que tal descobrir quais são os melhores bairros de Cuiabá para comprar um imóvel e morar com a sua família? Confira já!

    Banner-blog-gerencial

     

    Quanto esse conteúdo te ajudou?

    Clique em uma estrela para avaliá-lo!

    Classificação média / 5. Contagem de votos:

    Nenhuma avaliação até agora! Seja o primeiro a avaliar este conteúdo.

    Deixe seus dados e logo um corretor entrará em contato

    Deseja receber novidades da Gerencial?

    Deixe seus dados e logo um corretor entrará em contato

    Deseja receber novidades da Gerencial?

    Atendimento por WhatsAppLigue agora: (65) 3615-2525Atendimento por EmailAtendimento Online