• Conhecido também como empréstimo com garantia de imóvel, o refinanciamento de imóvel é um segmento de crédito que coloca o bem como garantia para pagamento de dívidas. Assim, quem possui um imóvel residencial ou comercial pode utilizá-lo como garantia na contratação de crédito. Isso promove a diminuição de riscos de inadimplência por parte das instituições credoras e é uma boa opção em relação às demais linhas do mercado.

    Essa prática atua como uma ótima alternativa para reorganizar as finanças pessoais, investir em outras áreas ou realizar um sonho que de outra maneira não seria possível. Pesando nisso, preparamos este texto para que você saiba como é interessante fazer o refinanciamento do seu imóvel. Confira agora!

    O que é o refinanciamento de imóvel

    O refinanciamento de imóvel é uma espécie de empréstimo, em que o bem é posto como garantia do pagamento das parcelas do contrato. A ausência de pagamento em dia pelo indivíduo permite à instituição financeira leiloar a propriedade para quitar o pagamento faltante. Por esse motivo, as taxas de juros desse acordo são menores quando comparadas a outros meios de empréstimo.

    O montante liberado pelo refinanciamento de imóvel pode alcançar até 60% do valor do bem em garantia. Por exemplo, se um apartamento em garantia apresenta o valor de R$200 mil reais, o dono do bem pode conseguir até 120 mil reais de empréstimo. Os custos mínimos liberados são em torno de 30 mil reais.

    Nessa modalidade, o prazo de pagamento apresenta variações que, geralmente, são entre 2 a 20 anos. As taxas de juros do refinanciamento imobiliário se iniciam em torno de 1,05% ao mês sobre o valor da parcela, considerando a correção com a inflação.

    Como é seu funcionamento

    A categoria de empréstimo com garantia de imóvel, mesmo não sendo de conhecimento popular como o empréstimo pessoal, é a opção que apresenta um dos menores juros do mercado, simplicidade de aprovação, prazos estendidos de pagamento e um valor alto de empréstimo disponível.

    Essa modalidade exige a garantia de um imóvel e o solicitante precisa ter um bem em seu nome, adequadamente quitado, para apresentar ao banco ou financeira. Desse modo, não pode existir qualquer pendência registrada no imóvel escolhido. A propriedade oferecida como garantia permanece sendo do particular e ele pode utilizá-la da maneira que lhe for útil.

    Entretanto, realiza-se a alienação fiduciária do imóvel pela instituição responsável por meio de registro em cartório. Isso quer dizer que, no decorrer do contrato de empréstimo com garantia de imóvel, o particular fica proibido de alienar ou transferir a propriedade. Não obstante, o proprietário continua com a posse direta do bem, o banco tem a posse indireta até que a dívida seja devidamente quitada.

    Após a desobrigação do débito, o imóvel deixa de estar alienado pelo banco, regressando a posse ao proprietário. Dessa forma, retira-se o registro feito no imóvel e a propriedade fica à disposição do particular. Contudo, caso o pagamento da dívida deixe de ser cumprido, o dono do bem pode perdê-lo para a instituição, já que esta utilizará o imóvel para quitar a dívida não honrada.

    Quando vale a pena fazer o refinanciamento de imóvel

    Optar por um empréstimo com garantia de imóvel apresenta muitas vantagens. Para que você saiba qual é o melhor momento de utilizar essa modalidade, separamos algumas opções de como aplicar o refinanciamento.

    Quitação de dívidas

    Para quem está com dificuldades de quitar um débito, o refinanciamento pode ser uma boa opção, já que ele é um dos créditos com menores custos do mercado. Assim, ao pegar um empréstimo, você pode trocar o valor alto das dívidas que já tem para arcar com menores taxas de juros, além de um prazo estendido de pagamento.

    Ainda, devido à garantia, as instituições permitem a concessão de crédito mesmo para quem estiver negativado.

    Crédito extra para os negócios

    O refinanciamento de imóvel também pode ser uma excelente opção para quem deseja utilizar o montante como capital de giro ou até mesmo na expansão da empresa. O empreendedor necessita de crédito, mas sempre há dificuldades para encontrar empréstimos que disponibilizem condições atrativas. Assim, vale a pena considerar o empréstimo com garantia de imóvel para otimizar os negócios.

    Ampliação ou reforma de negócios

    Para quem deseja reformar ou mesmo ampliar um imóvel, essa prática é bastante viável com o refinanciamento. É interessante primeiro avaliar se pegar um empréstimo é mesmo bom. Contudo, nos casos de grandes reformas, essa pode ser uma ótima alternativa, notadamente por causa do prazo longo de pagamento.

    Viagens

    Muitas pessoas desejam viajar pelo brasil e pelo munda afora, mas as condições financeiras no momento impedem esse sonho. Viajar sem gastar é praticamente impossível e, por isso, o refinanciamento pode ajudar essas pessoas a cumprirem com seus objetivos.

    Caso você tenha em mente uma viagem dos sonhos e deseja realizá-la, tal procedimento de concessão de crédito é uma excelente opção.

    Necessidade de capital em mãos

    Essa é uma decisão bastante genérica, já que existem diversos motivos para a necessidade iminente de dinheiro. Por isso, se você precisa de capital em mãos para qualquer destinação, entenda que, como esse tipo de procedimento não orienta a sua atuação em áreas específicas, é possível obter a concessão de crédito.

    Desse modo, averigue a situação, veja se é possível quitar a nova dívida no tempo estipulado, verifique a documentação exigida e promova a simulação do empréstimo. Isso torna sua avaliação mais fácil e simples para saber se será possível arcar com o pagamento.

    Documentos necessários

    A instituição bancária ou financeira solicita de quem deseja o refinanciamento que apresente os documentos necessários para que o contrato seja corretamente feito. Aconselha-se que os usuários juntem todos os papéis básicos, além de se orientarem sobre os outros que são precisos diretamente com o banco.

    Normalmente, os documentos pedidos por grande parte das instituições financeiras são:

    • CPF;
    • documento de identidade (RG);
    • matrícula do imóvel;
    • comprovante de residência;
    • comprovante de renda.

    Enfim, o refinanciamento de imóvel é ainda pouco utilizado em nosso país, mas vale muito a pena para quem deseja e se enquadra no perfil dessa modalidade. Empréstimo de alto valor, juros em conta e um tempo maior para arcar com a dívida, tudo isso proporciona um ótimo benefício para usuários que precisam levantar capital.

    E aí, gostou deste post? Então, que tal saber agora como conseguir a melhor taxa de financiamento?

    Quanto esse conteúdo te ajudou?

    Clique em uma estrela para avaliá-lo!

    Classificação média / 5. Contagem de votos:

    Deixe seus dados e logo um corretor entrará em contato

    Deseja receber novidades da Gerencial?

    Deixe seus dados e logo um corretor entrará em contato

    Deseja receber novidades da Gerencial?